Aprenda Inglês

Quando passam programas na televisão aqui na Finlândia sobre o Brasil é óbvio que paramos para assistir com certo carinho. A maioria dos programas são em Inglês com eventual legenda em Finlandês. É triste, entretanto, quando nossos compatriotas precisam abrir a boca para comentar alguma coisa. Na grande maioria das vezes sai um inglês tão macarrônico e tão rudimentar que tenho vontade de enfiar a cabeca no primeiro buraco que eu encontrar.

De modo algum é vergonhoso se esforcar para usar um idioma desconhecido. Muito pelo contrário: é um esforco bastante louvável mas, quando num mesmo programa sobre natureza e história do Brasil, os três cientistas-especialistas que são consultados não conseguem se expressar sem lancar mão da mímica e de gemidos ininteligíveis, sinal que a coisa está de mau a pior. Nossos porta-vozes para o mundo não estão se comunicando efetivamente com o próprio mundo e isso é triste para o Brasil.

Mais triste ainda quando o programa sobre o Brasil é após ou antes de algum que fale sobre a Bolívia, Chile, Venezuela e tantos países menores da América Latina que, embora chamemos de “hermanos”, temos aquela vontade interior de ser melhor do que eles. Infelizmente sempre tem algum(a) cientista nesses países que fala um Inglês perfeito.

Quando lecionava Inglês fazia questão de ressaltar a importância de se aprender a língua logo na primeira aula. Partia das vantagens mais óbvias como “ter um emprego melhor” até as menos óbvias como “poder acompanhar a história do filme enquanto se beija a(o) namorada(o) no cinema de olhos fechados” (a idéia era motivar o público adolescente com realidades mais palpáveis).

Atualmente aprendendo Finlandês, estou mais do que certo que o Inglês é muito mas muito fácil de aprender portanto, para o bem da humanidade, vou listar 10 pequenas dicas que sei, de experiência própria, que ajudam a aprender Inglês:

  1. Páre de assistir televisão em Português. Totalmente. Assista apenas programas em Inglês. Já que você vai gastar preciosas horas da sua vida engordando na frente da TV, gaste com algo útil.
  2. Legendas em Português atrapalham. Vá migrando aos poucos para uma situacão onde você coloque as legendas em Inglês e depois tire totalmente as legendas (os DVDs e TVs modernos todos tem essas capacidades - se tiver sistemas antigos, não se preocupe, faca como eu fazia: coloque alguma coisa na frente da TV para bloquear a sua visão e não permitir que leia a legenda). Faca isso de forma radical, ou seja, arranque as legendas mesmo… sem dó. Detalhe: é comum odiarmos essa estratégia no comeco porque realmente não entendemos nada. Mas essa é a idéia! Depois de 3 a 9 meses, alguma coisa já vai ser entendível senão praticamente tudo. Ou isso, ou você simplesmente vai assistir menos TV, e ambas as coisas são boas.
  3. Leia um dicionário. Outra coisa que pode parecer chata mas que é bastante útil. Pegue um dicionário Inglês-Português e folheie sem pensar em decorar nem nada. Vá só lendo e rindo das palavras engracadas.
  4. Arranje um dicionário Inglês-Inglês. Você não aprendeu Português procurando as palavras num dicionário Português-Ignorantês. Mesmo coisa com o Inglês: compre um dicionário bom Inglês-Inglês (são caros mas sua utilidade é impagável no dia-a-dia). Numa situacão econômica, use http://www.webster.com.
  5. Leia materiais em Inglês que te agradem. Comece com coisas simples. Até livros de crianca se for o caso mas mantenha a rotina de ler em Inglês initerruptamente. Na falta de materiais impressos, a Internet está cheia de material em Inglês. A enciclopédia aberta pode ser encontrada em http://www.wikipedia.org.
  6. Escute músicas e busque as letras. Hoje com a Internet isso é tão fácil quanto 2+2. Coloque o nome da música ou um pedaco da letra que você entendeu no http://www.google.com seguido da palavra “lyrics” (letra). A letra da música sempre está entre os primeiros 5 resultados. Leia as letras e acompanhe enquanto canta suas músicas preferidas. Memorize com o tempo.
  7. Se esforce para escrever. Mesmo que saia errado, escreva e compartilhe com pessoas que sabem tanto quanto você, menos do que você e mais do que você (ou seja: todo mundo). Tente pensar em Inglês com o tempo. Não fique traduzindo.
  8. Procure oportunidades para treinar o Inglês falado. A criancada faz muito isso por aqui na Finlândia: sai um grupinho de 4 ou mais criancas/adolescentes e só usam Inglês entre si. Faca o mesmo! Arranje um(a) amigo(a) mala como você e esqueca do mundo ao redor. Passe vergonha. A vida é curta demais para não passar vergonha em público para uma boa causa.
  9. Simplifique e seja específico.Inglês é bem mais simples do que Português e temos a tendência de complicar demais quando vamos escrever. Também gostamos de usar entrelinhas, conceitos subentendidos e figuras de linguagem demais. Jogue tudo isso no lixo quando for pensar em Inglês. Escreva simples e tenha objetivos claros nas suas frases.
  10. Vá além. Divirta-se.Aprenda se divertindo! Gostou de uma música? Procure ler sobre os autores, compositores, ou sobre a história da banda. O AllMusic é um ótimo site sobre isso. Gostou de um filme? Faca o mesmo: procure ler sobre o diretor e sobre outros filmes na mesma linha. Adoro o http://www.imdb.com quando o tema é filmes. Você se diverte seguindo uma linha mais ortodoxa? Vá por aí também: leia os artigos científicos que te atrair, vá fundo nos tratados de filosofia e teologia. Acho bastante coisa no ChristianAnswers e uso o BibleGateway como fonte de referência e estudo. E claro que http://www.google.comGoogle e http://www.wikipedia.org também são fontes para outras linhas de assuntos. Para qualquer coisa esdrúxula que você pensar, com certeza existe algo na web. Consulto frequentemente o http://www.boardgamegeek.com sobre jogos de tabuleiro por exemplo. Aprender qualquer coisa deve ser divertido e Inglês não foge à regra.

Certa vez precisei apresentar um trabalho sobre algum filósofo e o único material que encontrei que era resumido o suficiente e simples o suficiente para uma emergência era em Inglês (ok, confesso: deixei para pesquisar faltando apenas 1 hora e meia para a apresentacão).

Pela limitacão de tempo, acabei conseguindo ler o texto apenas no exato momento da apresentacão e fui traduzindo conforme eu ia entendendo sobre o que eu estava lendo. A nota do trabalho foi 10 mas a única ressalva da professora foi que, da próxima vez, procurássemos materiais que fossem melhor traduzidos porque muita coisa era escrita em Inglês e traduzida porcamente para o Portugês.

Ainda bem! Afinal, era um curso de Filosofia e não de traducão e, no primeiro, eu passei sem problemas!

Tiago Luchini · 18 Jun 2007 · filosofando